domingo, 30 de setembro de 2012

SOBRE MEUS MEDOS


Tenho medo do bocejo demasiado longo;
Que quebra o rítimo do passo premeditado;
Que desfaz o laço e perde o compasso;
Tenho medo de não deixar legados;
De não encontrar abrigo para meu inquieto espírito;
Nem repouso para meu efêmero corpo;
Tenho medo da intensidade reprimida;
Da cumplicidade falida;
Diante da companheira escolhida;
Do beijo insosso;
Do sexo pudico;
Da falta de tempo;
Da falta de retorno;
Do entusiasmo sucumbido;
Frente aos ponteiros de um insaciável relógio;
Que nos mata a cada segundo;
Tenho medo de não poder falar;
De não poder me expressar;
De ser coagido;
Naquilo que não acredito;
De tiver que dizer sim enquanto penso em não;
E ver pedaços de mim caírem e se quebrarem no chão;
Tenho medo da coisa morna;
Que nunca esquenta e jamais aquece;
Da coisa sem vida;
Sem êxtase;
Da falta de magia;
O fim da poesia;
Tenho medo das coisas estáticas;
Daquilo que não se move;
Da inércia demasiada;
Que não traz o novo;
Nem reinventa o velho;
Tenho medo de não poder fazer  melhor ;
Aquilo que faço;
De não ousar naquilo que poderia;
Como ver um pouco mais;
Ouvir um pouco mais;
Sentir um pouco mais;
Experimentar um pouco mais;
Ser paciente um pouco mais;
E é claro viver sempre mais;
Tenho medo de ter que ler os mesmos livros;
De ter que ouvir as mesmas músicas;
E contemplar as mesmas cenas;
Por falta de criação ou opção;
Tenho medo de repetir os mesmos erros;
De não se transformar naquilo desejei;
E sentir saudades de um tempo que supostamente desperdicei;
E não me perdoar por ter tentado;
Tenho medo desta triste sina;
De tentativas frustradas;
E sonhos dissolvidos;
Por um câncer chamado ansiedade;
Que se alastra feito metástase;
Nas mãos trêmulas;
No coração acelerado;
No peso sobre o peito;
Na respiração alterada;
De auto-sabotagens;
E condenações sumárias;
Tenho medo de ser esquecido;
Antes que compreendido;
De não encontrar terra fértil;
Para espalhar meu esplendedor;
De amante eterno;
De energia canalizada a mulher amada;
E mostrar meu amor;
Tenho medo de não poder compartilhar;
Tudo que sei;
Tudo que aprendi;
Tudo que sonhei;
O amor que desejei;
Tenho medo de ter que conviver comigo;
E ter o vento como meu eterno amigo
E como saída;
Se expressar em medíocres poesias;
Imaginando como tudo seria;
Sem essas perturbadoras fobias;
E se um dia disserem;
Que meus medos são frutos de utopias;
Diria eu como um antigo poeta;
Sou feito da mesma matéria que os sonhos são feitos;
Mas não tenhas medo;
São só palavras;
De alguém que precisa compartilhar uma vida; 
Destes medos todos meus;
Eu diria ainda;
Quais são os seus?








12 comentários:

  1. Respostas
    1. obrigado Rubens... mas oque é a vida senão uma fantástica viagem, longa ou curta, que no final oque importara é a bagagem que você acumulou... abraço.

      Excluir
  2. ...os meus são tantos,e iguais aos seus...quantos...
    mas o pior deles nesse momento par,
    é perder o encanto, com sabor, prazer e espanto que
    só consegue sentir
    quem pode ler e cada palavra sua entender...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ..não perca o encanto... por vezes a estrada é longa e as vezes silenciosa mas precisamos mantermos em frente, e eis que então quando de repente a paisagem a nossa volta se muda e no entanto a estrada é a mesma... abraço paz e luz

      Excluir
  3. Nossa, quase me perdi kkkk. Belíssima! Adorei. Retrata bem o estado interior de um portador de TDAH.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ... é , as vezes é de se perder mesmo, nós desconhecemos até mesmo o mundo criamos e nem sempre conseguimos vive-lo mesmo sabendo das suas dimensões... que bom que esta poesia tenha te levado a tal sensação.... abraço.

      Excluir
  4. MUITO BOM..ADOREI...

    Rosely Debesa

    ResponderExcluir
  5. Eu adoraria ter você adicionado ao Facebook, caso o tenhas, por que eu tmbém sou TDAH e também poeta e seus textos me refletem com tamanha precisão que me emociono. Gostaria muito de trocar ideias, experiencias e poesias...um abraço amigo.
    https://www.facebook.com/francis.paixao.92

    ResponderExcluir
  6. que bom que o texto tenha despertado emoções em ti, fique a vontade para comentar outros textos ou oque quiser. abraço

    ResponderExcluir
  7. Obrigado por compartilhar .... Peço permissão para publicar o seu poema. Obrigado ...

    http://elrincondeyanka.blogspot.com.es/2014/07/tda-tdah-trastorno-por-deficit-de.html

    ResponderExcluir
  8. tdah na visão espirita!
    https://www.youtube.com/watch?v=uVzHEZIdC5A

    ResponderExcluir